Imprimir

Maconha pode afetar como você sonha

Sono e maconhaMaconha pode afetar a forma como muitas vezes você sonha, reorganizando seu ciclo de sono.

Pessoas que fumam maconha antes de dormir muitas vezes lutam para recordar os seus sonhos na manhã seguinte. No entanto, quando esses indivíduos param de fumar, eles tendem a experimentar sonhos mais vívidos do que antes.

Maconha é conhecida por afetar vários aspectos do sono, incluindo as atividades que não estão envolvidas com o sonho. Mas há uma razão simples pela qual os usuários de maconha tendem a ter menos sonhos.

Imprimir

Maconha: O Super Antibiótico do Futuro

Maconha e super bactérias

Uma Grande Emergência Mundial

"Sem urgente ação, coordenada por muitas partes interessadas, o mundo caminha para uma era pós-antibióticos", Dr. Keiji Fukuda, o Director-Geral Adjunto para o departamento de Segurança da Saúde da Organização Mundial de Saúde, disse no ano passado depois de a OMS lançou o seu primeiro relatório global sobre a resistência aos antibióticos. "As infecções comuns e ferimentos leves, que têm sido por décadas tratável, pode voltar a matar", ele continuou, explicando como bactérias resistentes a antibióticos são agora uma das principais preocupações de saúde do mundo.

Imprimir

Maconha se comporta como "hormônio do amor" no cérebro e pode ser boa para o Autismo

Autismo e maconhaA maconha tem uma reputação de induzir sentimentos de paz e amor, mas agora os cientistas alegam ter encontrado o motivo.

Um novo estudo revela que a "droga ilegal" age da mesma maneira que o produto químico produzido naturalmente, a oxitocina, o "hormônio do amor", que é conhecido por aumentar os sentimentos emocionais e as conexões com os parceiros românticos, entre mães e bebês e amigos, e até mesmo entre seres humanos e animais.

Imprimir

Sistema sensível aos compostos da maconha atua também nos rins, mostra estudo brasileiro

Maconha nos rinsDescoberta abre portas para desenvolvimento de remédios contra a hipertensão e cura de lesões renais.

Há não menos que cinco mil anos a Humanidade conhece as aplicações terapêuticas da maconha (Cannabis sativa) e seus derivados. Os chineses já a empregavam em medicina há milênios. Porém, até agora se acreditava que o sistema do corpo humano sensível aos compostos da maconha agia primordialmente no cérebro. Cientistas brasileiros, porém, descobriram que o chamado sistema endocanabinoide atua sobre os rins, um achado que abre a possibilidade de desenvolver remédios contra a hipertensão e curar lesões renais, estas sem tratamento além da diálise e do transplante de rins.